O primeiro episódio da segunda temporada de Scream ainda não estreou oficialmente, mas muitos bloguers e redatores puderam conferir o resultado antes dos fãs para avaliação. Entre eles, a equipe do Bloody Disgusting, que hoje é o site de maior credibilidade da geração do horror na América.

Quem leu o Review do episódio piloto, ano passado, sabe que os redatores do site não são os maiores fãs da adaptação televisiva do clássico de Wes Craven. E mesmo agora, com a troca de showrruners e a revitalização do roteiro, parece que nada mudou.

Confira no Review abaixo, escrito por Trace Thurman (Pode conter spoilers).

Após uma abertura que lembra as primeiras cenas de Scream 2 e Scream 4 (só que não tão criativa), a temporada nos leva para três meses depois dos acontecimentos da última finale. Encontramos Emma voltando para Lakewood após uma terapia (muito) necessária. Ela se reconecta com os outros sobreviventes, Brooke, Audrey, Noah, Kieran e Jake, que, assim como ela, estão tentando seguir com suas vidas sem o horror causado por Piper Shaw. Alguns estão lidando com o trauma melhor que outros, mas Emma sofre de vários episódios de estresse pós-traumáticos no decorrer da premiere.

O episódio ainda aborda o grande suspense da temporada passada sobre o envolvimento de Audrey e Piper (Foi essa história que deu nome ao episódio, Eu Sei o que Vocês Fizeram no Verão Passado). O novo assassino começa a atormentá-la através de mensagens de texto e ligações, postando fotocópias de suas cartas para Piper (aquelas que ela queimou na finale) em cabines nos banheiros para ela ver. Previsivelmente, poucas respostas foram dadas sobre os motivos de Audrey, mas é um ponto de partida agradável para a temporada.

Assim como a primeira temporada, Scream retorna como uma novela de drama adolescente. Se você acha que a troca de showrunners mudaria a identidade da série, você estava errado. Os diálogos podem ser ridiculamente ruins em certos trechos (“Isso é como um filme, mas é a vida real” e outros monólogos do Noah que são extremamente rasos e forçados, como sempre); e a atuação nem sempre é lá essas coisas. Mas se você abraçar o ridículo de tudo isso pode até se divertir com Scream.

A MTV esteve divulgando a grande morte de um personagem principal durante o marketing da segunda temporada, e é exatamente isso que eles entregam. O único problema é que o dito personagem é sequestrado pelo novo Ghostface e mantido vivo durante quase todo o episódio por nenhuma razão em particular. Quando a morte finalmente chega, nos perguntamos qual o propósito em esperar tanto para acontecer. Scream tem muita ‘gordura’ para cortar e a morte deste episódio é um passo na direção certa. Dito isso, é uma morte satisfatória que prova que a série não estará de brincadeira nesta temporada, apesar de desapontar aqueles que queriam que Emma fosse a primeira a morrer. Ela é a protagonista, pessoal. Por mais sem graça que seja, não conseguiremos nos livrar dela.

Outra coisa em que a premiere acerta é que está tudo bem divertido. O episódio brinca com a expectativa do público, simulando meia dúzia de possíveis mortes para cada personagem principal envolvido. É claro que a maioria representava perigos falsos, mas mostra que Scream está aprendendo a brincar com os telespectadores. Um ótimo adicional é que esses personagens realmente cresceram desde a 1ª Temporada. Eles estão mais evoluídos, e como passamos 10 episódios de uma temporada conhecendo-os por inteiro, pouco tempo é gasto no desenvolvimento deles, fazendo com que o ritmo seja mais rápido. Claro, desde que a contagem de corpos progrediu, a série introduziu novos personagens a mistura, mas de uma maneira um tanto desajustada. A personagem Zoe (Kiana Ledé), especificamente, acaba sendo um problema, pois a série faz parecer que ela e Emma são amigas de infância mesmo que a jovem não tenha aparecido em um só episódio da 1ª Temporada. O novo Xerife (Anthony Ruivivar) e seu filho (Santiago Segura) se saíram um pouco melhor.

De uma forma ou de outra você sabe que vai gostar (ou engolir) Scream. Se você foi capaz de desfrutar a 1ª Temporada da série apesar de todos os seus erros, não terá problema em pular de cabeça na 2ª. Se você odiou cada segundo daquilo, nem precisa assistir a 2ª esperando que Scream tenha se transformado numa série diferente. Esse é um Scream para a nova geração, e você gostando ou não, é o que é. Não é uma imitação grotesca como muitos dizem, mas certamente tem um longo caminho a percorrer para ser um programa de qualidade.

E você, o que espera do retorno da série?

FONTE
Tradução e Adaptação: Equipe Scream Brasil

Deixe seu comentário

você deve estar logado para deixar um comentário.

Close
Please support the site
By clicking any of these buttons you help our site to get better
Design por Lorrayne
Programação por por Gabriela Gomes
Scream Brasil - Todos os direitos reservados